Vote aqui! :)

sábado, 24 de dezembro de 2011

Previsões para um Ano Bom...


Creio que muitos de vocês já perceberam meu interesse por prever o futuro e minha insistência em conseguir tal proeza, seja através de uma cartomante, por intuição, leitura do horóscopo diário ou interpretação de sonhos. O fato é que sempre fico com aquela vontade de saber o que está por vir, afinal tem dias em que por mais que eu ande, a vida continua parada.
Hoje mesmo, no meu décimo segundo dia de férias sinto-me entediada. E olha que desses doze dias, cinco passei a bordo de um navio maravilhoso em um Cruzeiro em família. Mas é sempre assim, quando estava viajando pensava que aquilo deveria durar para sempre, mas um dia antes, quando cheguei em casa e dormi por doze horas na minha primeira noite de férias, pensei que aquilo também poderia durar para sempre...
A verdade é que estamos sempre em busca de transformação. Mudamos o humor, a vontade, o gosto, a coragem, tudo o que antes era certeza vira talvez e o talvez acaba muitas vezes por virar realidade, e é sobre isso que quero falar hoje.
Minha curiosidade somada à vontade de desvendar o futuro, me fez consultar um astrólogo no meio deste ano. Depois de não ter tido sucesso com a cartomante achei que seria uma boa tentativa. Foram quase duas horas de consulta, passando pelo meu passado, presente e o que mais almejava: o futuro.
Pedi a ele que priorizasse a leitura das minhas ambições profissionais e sentimentais e confesso que não acreditei quando escutei que o ano de 2012 seria meu ano de transformação. O ano em que, segundo ele, eu teria mudanças no campo profissional, onde teria possibilidade de realizar um grande sonho e, como se não bastasse, o ano em que poderia conhecer um companheiro para toda a vida.
Ah! Era tudo o que queria ouvir... Será que finalmente aos vinte e oito anos teria a honra de parar minha busca e aquietar esse coração que já anda extremamente desacreditado? Ri disso tudo ao contar as previsões para minha mãe. Ri mais ainda quando ele me disse que firmaria um compromisso no mês de setembro e que faria uma viagem internacional ainda neste ano.
Pense bem, em julho eu jamais imaginaria fazer uma viagem internacional, muito menos firmar compromisso com ninguém, afinal havia rompido um namoro recentemente e tudo que queria era paz.
Mas hoje, deitada no meu quarto, olhando para o céu azul, pensando no quanto estou entediada e no que espero de 2012 me lembrei de todas essas previsões e qual não foi minha surpresa quando as vi praticamente integralmente concretizadas?!
Realmente firmei um compromisso em setembro, no dia dezoito mais precisamente, e no mesmo mês agendei uma viagem, pasmem, para o Uruguai e Argentina, com uma amiga para o final de dezembro.
E agora me pergunto: foi a previsão que me impulsionou a fazer isso tudo em tão pouco tempo? Ou foi o tempo que me movimentou até essa previsão?
Não sei dizer...Só sei que estou realizada. Feliz por ter me movimentado. Por ter arriscado e por ter a possibilidade de ter mais histórias para contar.
Minha viagem se dará logo depois do Natal, passarei a virada do ano em terra estrangeira, pela primeira vez longe da minha família, mas na ânsia de trazer sonhos realizados e novas ambições para 2012 que agora mais do que nunca, creio será meu ano de transformação.
Não sei o que me reserva o ano que se aproxima, muito menos esta viagem e nem mesmo o dia de amanhã, mas tenho a certeza de que vale a pena sonhar, e mais ainda prever o futuro, especialmente se essa previsão é feita por nós, por nossos desejos, por nossas vontades, pois esse é o caminho mais curto para transformar  a possibilidade em realidade.
O que espero de 2012? Viver o presente que hoje é meu futuro de maneira plena. Acreditar que um passo pode desencadear uma longa jornada. Desejo ainda dias de tédio, pois percebi que essa sensação não é nada mais do que um momento para meu descanso,para um respiro, para que eu possa olhar para traz e ver meu futuro concretizado e olhar para frente em busca de novos presentes, cada dia mais previsíveis.
Chega de tanta surpresa. Viver o hoje cabe apenas a nós e a mais ninguém e que venha 2012, cheinho de boas previsões e de muita, muita transformação!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Já chegou o Natal...?

Acabo de escutar uma música bem típica para este período do ano, corro até a cozinha e de lá avisto o caminhão da coca-cola passando na avenida principal da cidade, todo iluminado, espalhando aquele clima de: “Já chegou o Natal...”.

É claro que hoje em dia não é mais só um caminhão, é uma caravana, e além da música e das inúmeras lâmpadas, agora traz também um urso polar jogando balas para as pessoas na rua e ajudantes de papai-noel dando tchauzinho. Ah...Essa modernidade, vive estragando tudo mesmo. Mas enfim, o que realmente me chamou a atenção foi a sensação que a música tocada por aquele caminhão enorme e todo iluminado me provocou.

Havia sido tomada por esta sensação há uns três dias, quando a iluminação natalina foi espalhada por toda a extensão da rua onde moro. Da vista da minha janela posso observar muitos anjinhos, sinos e o papai-noel, iluminados, coloridos, um convite a caminhar pela noite afora que já não é mais tão silenciosa nesta época do ano.

Não sou muito fã deste período do ano, claro que sempre é bom reunir a família, amigos, trocar presentes, mas sempre existe uma tristeza velada nestes dias para mim. Conheço pessoas que adoram o Natal e o comemoram com todas as possibilidades: ceia, fogos de artifício, luzes natalinas, enfeites, árvores enormes, presentes, peru e champanhe.

Quanto a mim, estar com minha família basta. O resto é acessório, complemento que deixa a data mais atrativa, agradável, mas não a torna mais ou menos importante.

O que realmente têm me incomodado nesses últimos dias é no que o Natal se tornou. Tenho observado um consumismo exacerbado nesta época do ano. Hoje quase fui atropelada duas vezes na rua de casa, não por carros, mas por pessoas. Malucas, alvoroçadas, ansiosas e carregadas de sacolas.

E olha que esta é a primeira semana de comércio noturno e de promoções de final de ano, fico imaginando como será a véspera de Natal... Na certa uma guerra civil oculta, não anunciada, irá se apresentar. A busca pelos melhores presentes, pelos maiores descontos, pelas principais marcas, torna o consumidor um verdadeiro soldado. E realmente é preciso andar com escolta ou armadura nestes dias, pois pisão no pé e sacolada na cabeça não irão faltar.

Utilizar a calçada sem empurra empurra ou achar um lugar para estacionar torna-se moeda de troca nesta época do ano. O difícil mesmo é manter o foco. As lojas iluminadas, com vendedores fantasiados são tão atrativas que impedem os clientes de chegar até o final da rua, lá na praça central onde um coral infantil expressa o verdadeiro significado deste período.

O presépio em tamanho natural não é tão atrativo quanto a casa do papai-noel que concentra filas de crianças em sua porta. O menino Jesus não é tão divertido quanto as balas e o presentinho distribuído pelo bom velhinho. E é assim que o ciclo se repete... Quando adultos essas crianças provavelmente irão priorizar as lojas ao episódio cultural e priorizarão as balas da casa do papai-noel ao presépio (se é que ele ainda vai existir) nos dias de Natal.

Ultimamente comemoramos tudo, mas raramente sabemos o porquê. A festa por si já é suficiente. Não importa o motivo, nem os convidados, o importante é festejar. E quando não se tem um motivo ou quando ele existe, mas não é importante as coisas ficam meio que sem sentido, não acha?

A verdade é que o final de ano é meu final de linha, sempre. É quando estou dando meus últimos suspiros e implorando por descanso, por férias e acho que devido a isso me sinto mais sensível e fico muito mais intolerante neste período.

E é por essas e outras que ainda abro a janela para ver o caminhão da coca-cola passar e avistar os anjinho de luz aqui de cima, tentando manter a todo custo o sentido que o Natal tem para mim deste a infância, tentando não ser engolida pelo consumo selvagem, pois lá embaixo, longe da altura dos doze andares nem tudo é tão bonito quanto parece, nem tão seguro...

sábado, 3 de dezembro de 2011

Procura-se...


Procura-se alguém disponível para meus dias de riso e tempestade.
Procura-se alguém que seja alto o suficiente para levantar minha autoestima em dias sensíveis.
Procura-se alguém forte o bastante para levantar meu ego nos dias em que a frustração me perseguir.
Procura-se alguém que tenha belos olhos para me mostrar o quanto a vida pode ser maravilhosa mesmo em dias nebulosos.
Procura-se alguém que saiba sorrir e me faça gargalhar com seu ponto de vista.
Procura-se alguém que saiba me olhar nos olhos e me ouvir quando o assunto é sério.
Procura-se alguém que tenha sabedoria para entender que não podemos ter tudo o que desejamos, mas podemos lutar para que esses desejos não desmanchem no ar.
Procura-se alguém que não tenha medo do trabalho e que não se envergonhe do que faz, nem do que eu faço.
Procura-se alguém que consiga perguntar como foi meu dia e esteja atento com a resposta, seja ela positiva ou não.
Procura-se alguém que não tenha vergonha de chorar quando se sente triste e que possa me fazer chorar de alegria às vezes.
Procura-se alguém que esteja disposto a me carregar no colo em dias de pés cansados depois de um longo baile.
Procura-se alguém que goste de fazer cafuné e não se canse da minha voz rouca.
Procura-se alguém que queira me aconchegar em seus braços até pegar no sono e me acordar com um beijo sincero de bom dia.
Procura-se alguém que não tenha medo de se apaixonar e consiga fazer de cada momento algo bom para se lembrar.
Procura-se alguém que goste de viajar e não tenha medo de dirigir.
Procura-se alguém que goste de andar de mãos dadas e tomar sorvete no final da tarde de domingo.
Procura-se alguém que goste de conversar e respeite a diversidade de opiniões.
Procura-se alguém que me aceite e não me obrigue a mudar meu jeito de ser, estar e viver.
Procura-se alguém que não se importe com minhas roupas coloridas, alguém que prefira as cores ao branco e preto e que não se canse de se surpreender ao ver um arco-íris.
Procura-se alguém que goste de observar o pôr-do-sol e me presentei com a lua em dias de céu estrelado.
Procura-se alguém que não tema fazer planos, mas que não deixe de viver o hoje com medo deles nunca se realizarem.
Procura-se alguém que pense em ter uma família e que entenda que isso significa compartilhar sonhos, vitórias e perdas.
Procura-se alguém que respeite o amor que tenho pela minha família e esteja disposto a conhecê-la, passando pela sabatina de perguntas de tios e avós sem se sentir acuado ou com vontade de fugir para outro país.
Procura-se alguém que me olhe com admiração e que se orgulhe ao falar de mim para os melhores amigos.
Procura-se alguém que goste da minha companhia e nunca me trate com indiferença.
Procura-se alguém que respeite meus medos, inclusive os mais ridículos e que não faça disso uma piada.
Procura-se alguém para que eu possa chamar de meu.
Procura-se alguém para...amar.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Por favor?!

A cada dia que passa descubro que tenho uma lista incontável de dificuldades, ou melhor dizendo, de “desafios” para serem superados. Tenho me deparado constantemente com alguns deles e por vezes me pergunto se foram criados por mim, pelos outros, para realmente serem superados ou simplesmente ignorados.

Contudo, como tudo que nos incomoda, esses desafios não são facilmente esquecidos ou colocados de lado, envolvem emoções fortes, por vezes orgulhosas que nos impedem de simplesmente esquecê-los.

Entre as incontáveis dificuldades existe uma que tem me enfrentado com uma constante irritante nas últimas semanas: odeio pedir favor. Tenho uma dificuldade surreal de solicitar algo para minha facilidade que poderá provocar em alguém alguma dificuldade.

Geralmente penso cinco mil vezes antes de pedir algum favor para alguém e quando o faço fico com aquela sensação de “devedora” por incontáveis dias. Na verdade nunca me senti no direito de influenciar a vida de quem quer que seja. Pedir algo para alguém requer uma relação de intimidade que por vezes não é recíproca e é nesse momento que encontramos algo que me parece pior que pedir um favor: tê-lo negado.

Vivo rodeada de pessoas que me dizem o tempo todo: se precisar é só chamar! Qualquer coisa me ligue! Conte sempre comigo! Mas tenho percebido que tanta disponibilidade não existe sempre, nem o tempo todo.

Claro que não tenho a ingênua pretensão de acreditar que as pessoas terão de deixar seu mundo para me atender, muito menos que meu interesse seja maior ou mais importante que qualquer afazer de qualquer pessoa, mas quem me conhece sabe que não sou de pedir favor e quando o faço é porque realmente estou precisando.

Ao contrário da minha dificuldade em pedir, não me importo de realizar um favor. Sinto-me bem quando posso facilitar a vida de alguém mesmo que isso complique um pouquinho meu dia. Creio, inclusive, que o segredo para superar este desafio, encontra-se justamente aqui...

Ninguém é obrigado a sair do trilho por ninguém, muito menos para facilitar a vida de outrem. Mas existem algumas coisas que são passiveis de realização e não são feitas por simples questão de prioridade e outras que não são realizadas pela simples falta de vontade.

Prioridade e vontade. Esses conceitos, tão presentes em nossos dias é que fazem com que a cada vez que precise pedir um favor pense antes cinco mil vezes, pois me lembro sempre que a minha prioridade nunca será a prioridade do outro e por consequência, provavelmente minha vontade dificilmente será compatível com a de outra pessoa, especialmente quando se trata de pedir um favor.

Para que alguém mude sua rotina para te fazer um favor é preciso que você seja parte da história da vida dessa pessoa; seja prioridade na vida dela ou nela provoque a vontade de fazer algo que te fará bem. Por vezes nada disso acontece e o favor fica ali, por fazer e é aqui que entra algo ainda mais relevante do que a realização de um favor: a importância que se dá ao pedido.

E é isso que quero destacar, para que ninguém tenha medo de me negar um favor depois deste texto. Já que ninguém é obrigado a sair da rotina por ninguém e cada um tem seus motivos, vontades e prioridades, gostaria apenas de lembrar que existem mil maneiras de dizer não, mas algumas pessoas escolhem sempre a pior delas o que torna o pedido de favor algo bem mais constrangedor do que deveria ser.

Gentileza, gera gentileza. Dedicar atenção a um pedido de ajuda, mesmo que não possa satisfazê-lo pode ser bem mais importante do que jurar gratidão a vida toda, ou afirmar sempre que possível: conte comigo!

Recebi alguns “nãos” nas últimas semanas, entre eles alguns que realmente me surpreenderam, não pela negativa em si, mas pelo discurso anterior de cumplicidade e pela indiferença dedicada ao pedido naquele momento.

Confesso que me decepcionei com algumas posturas nos últimos dias, mas por ainda acreditar nas pessoas é que resolvi tocar nesse assunto, para inclusive tentar entender onde se inicia o não em um pedido de favor. Afinal, não conheço muita gente que goste de depender dos outros para qualquer coisa que seja e pedir um favor não deve ser um incomodo apenas para mim.

Não é agradável pedir ajuda, pois temos que nos expor ao indicar nosso problema e a forma de solucioná-lo, sem contar que sempre corrermos o risco de embaralhar a vida de alguém que também pode estar em um dia de sufoco, mesmo que já tenha te oferecido apoio.

Então, fica a dica, antes de negar ajuda pense se realmente não é possível dispensar alguns minutos do seu tempo para prestar um favor ou no mínimo justificar-se de forma educada caso não seja possível atendê-lo. Tudo que fazemos com amor e sinceridade, mesmo que seja dizer um não, soa mais gentil, facilitando o dia de quem já não acordou com o pé direito.

A verdade é que as pessoas que realmente se importam nem nos esperam pedir um favor, geralmente se oferecem para cruzar o estado se for preciso para nos socorrer e são nessas horas de sufoco, quando somos acolhidos, muitas vezes por quem menos esperamos, que percebemos que nenhum por favor supera o alívio de um muito obrigado.

sábado, 12 de novembro de 2011

Voz pra que te quero...

Estou sem trabalhar há dois dias. Seria um ótimo motivo para comemorar não fosse o motivo que me levou a este súbito afastamento do trabalho. Estou afônica. Logo eu que adoro falar, que não consigo ficar nem meia hora sem falar, aqui estou segurando a língua para recuperar a voz o mais rápido possível.

Só agora consigo perceber o quanto falar é importante para mim. Tudo se torna bem mais complicado quando não posso falar. Comprar os remédios na farmácia, pagar o almoço, atender ao telefone, tudo se tornou um suplício.

De acordo com o médico provavelmente terei que retomar minhas sessões de fonoterapia. Só de pensar em voltar para este compromisso me arrepio. Não consigo me acostumar a tratar algo que para mim não é visível. Quando se quebra um braço e precisa de fisioterapia, percebe-se bem o movimento para a reabilitação, com a voz é algo bem diferente, apesar de perceber os resultados, não consigo vê-los durante as sessões. E isso me incomoda tanto quanto este repouso.

Repouso vocal. Foi isso que o médico me exigiu quando sai do consultório depois de diagnosticado uma laringite que segundo ele já é crônica. Dois dias de atestado em casa, sem falar, tomando muito líquido e contendo a ansiedade.

Apesar de morar sozinha há um bom tempo, não consigo me acostumar muito com a ideia de ficar sozinha por tempo demais. Quando estou na minha rotina, saio de casa às sete da manhã e volto perto das oito da noite, então ficar por cerca de três ou quatro horas sozinha em casa antes de dormir não é sacrifício algum.

Mas ontem e hoje as quarenta e oito horas dos dias pareceram umas oitenta. Não só pelo fato de estar sozinha, mas principalmente por não poder falar. Pensava em ligar para minha família ou para alguma amiga, mas e o repouso vocal?! Foi bem aqui que percebi que bem mais do que viver dias de simples descanso para minha voz estava inscrita em um verdadeiro retiro espiritual.

Aproveitei para colocar o sono em dia, terminei um livro que estava pelo seu um terço, iniciei outro, escrevi dois textos, arrumei meu guarda-roupa e o armário da cozinha. Assisti a dois filmes, pincelei alguns capítulos das novelas, olhei pela janela no pôr-do-sol, lavei o aquário do cágado e deixei-o zanzar pela casa, mas ainda assim o tempo não passou.

Nesses dias em que me enclausurei descobri que muito do que achava que me incomodava não faz mais sentido. Percebi que algumas pessoas que pareciam importantes não chegaram a este nível ainda e outras que pouco se fazem presentes, ganharam um espaço bem maior do que eu imaginava no meu pensamento.

Dias de repouso servem para acalmar o espírito, a mente, o físico e descobrir que por vezes é realmente melhor calar do que correr o risco de se pronunciar em vão. Descobri que o meu querer, a minha vontade não se enquadra na prioridade das outras pessoas, mesmo que eu esteja doente, sozinha e sem poder falar.

Pensei em receber visitas ou fazê-las nesses dois dias, mas que cabimento teria se não poderia falar? Fala que eu te escuto – seria o máximo que poderia dizer. A verdade é que não sei se existe alguém nesse mundo que se contente apenas com a minha presença.

Quando penso nisso, só consigo lembrar-me da minha mãe, que por inúmeras vezes me deixou ficar ao seu lado, deitada de papo para o ar, sem precisar falar uma palavra, sem fazer uma pergunta, apenas me permitindo ali ficar, me fazendo cafuné até me ver cochilar.

Foram nesses dois dias que percebi o que realmente importa e mais do que isso quem realmente se importa. Foram dias de silêncio com o mundo e de diálogo com o meu caos, com meus medos e percepções. Dias de repouso para serem guardados e lembrados sempre que se perceba novamente a falta de voz...

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Água com açúcar...


Assisti a uma comédia romântica nessa semana daquelas bem docinhas, estilo água com açúcar, marcas registradas da sessão da tarde e que são infalíveis para deixar qualquer mulher totalmente desiludida quando chegam ao fim.
Um filme daquele tipo em que você fica atento a cada detalhe e se pergunta a cada minuto: Será que isso existe na vida real? Aquele filme onde a mulher linda, inteligente, bem sucedida está totalmente livre, à espera do príncipe encantado, mesmo sendo a atriz mais linda de hollywood, o que no filme não parece nenhum absurdo pois no final ela encontra um cara lindo, rico, romântico e totalmente louco por ela.
Toda vez que assisto a esses filmes fico deprimida. Sempre fico me perguntando: Mas será que na vida real existe um amor assim?! Será que isso realmente é possível ou provável? E sempre, fatidicamente, inevitavelmente eu me envolvo nos meus sonhos de um grande amor e desligo a televisão resmungando algo que reproduz minha sensação de descrença: Ah! Quanta bobagem!
E sempre foi assim, mesmo quando estava namorando, apaixonada, envolvida, sempre me senti assim no final desses filmes. É algo que sempre me cutucou. Não sei muito bem por que, mas é certo que essas histórias de amor perfeitas demais sempre me incomodaram. Na vida real nada é assim tão simples, nenhuma história se desenha em cento e vinte minutos e dificilmente um homem lindo e sensível como aqueles dos filmes tropeçará em você e te carregará para o altar.
Sem contar que a maioria dos protagonistas destes filmes tem um histórico de muitas mulheres ou de uma decepção amorosa em sua vida antes de encontrar a mocinha perfeita e se apaixonar perdidamente. Mas cá entre nós, você já conheceu algum homem real que decidiu deixar de ser mulherengo ou voltou a confiar em uma mulher depois de uma decepção para viver um grande amor?! Parece piada não?!
Provavelmente alguns leitores do sexo masculino que acompanham esta coluna poderão me tachar de feminista ou generalista, mas a verdade é que eu nunca conheci um cidadão desse tipo. Quando algum homem resolve assumir um compromisso ou é porque nunca se decepcionou antes, ou porque sempre preferiu viver a dois, assumindo todos os riscos de uma relação e esse segundo tipo de homem geralmente é muito romântico, mas carente.
Os homens que realmente buscam uma união estável, uma família e que acreditam mesmo no amor dificilmente vão aparecer na sua vida, pois já estão comprometidos ou não vão te seduzir tão facilmente, sabe por quê? Porque até esses homens raros tem defeitos, geralmente muitos, como todos nós e isso acaba com todo e qualquer conto de fadas.
Se os filmes de hollywood tivessem continuação provavelmente não durariam muito mais do que dois ou três capítulos. Uma hora ou outra a essência humana iria se sobrepor e quando começássemos a nos identificar com os personagens da telona provavelmente perderíamos o interesse pelo enredo dos filmes, pois o que nos chama atenção é justamente o que não nos é familiar, aquilo que temos como modelo, como ideal, mesmo com a certeza de que nunca sairá do imaginário.
O fato minha gente é que romances perfeitos não existem pelo simples fato de que as pessoas perfeitas também não! Todos nós, homens e mulheres estamos muito mais sujeitos a errar do que a acertar e geralmente temos a péssima mania de dar valor maior para os defeitos do que para as qualidades dos que nos rodeiam. É mais ou menos assim: Ele te levou para jantar no aniversário de namoro, te fez um elogio quando colocou um vestido novo e te fez um chá quando estava morrendo de cólica, mas tudo bem isso não é mais do que a obrigação dele. Agora se o santo homem te deixa esperando quinze minutos, fala um ou dois palavrões enquanto assiste o futebol ou solta um arroto na mesa, pronto! Ele não é mais o homem dos seus sonhos...
O príncipe vira sapo com tanta facilidade... E digo isso porque comigo também é assim. No começo do namoro, no período de conquista é tudo uma maravilha, todas as qualidades e encantos são colocados na mesa, que fase mais gostosa, mas a realidade, aquela capaz de sustentar uma união pela “vida toda”, não demora muito para aparecer e quando surge, traz todos os medos, os receios, os defeitos e, sobretudo a essência daquela pessoa encantadora que você acabou de conhecer.
Vivemos procurando a pessoa certa e geralmente esquecemos que nem nós nos suportamos todos os dias, que audácia é essa de acreditar que alguém tem que nos aceitar do jeitinho que somos e mais que isso, se moldar aos nossos desejos só para que um conto de fadas vire realidade?!
Quando assumimos o desejo de viver a dois, acatamos o risco de ceder e receber muito de nós e um pouco do outro e vice-versa, em um ciclo que permite o equilíbrio entre o que temos de melhor e pior. E é por isso que não suporto essas comédias água com açúcar... Nesses filmes não existem riscos, não existem defeitos, nem receios. A vida não é assim, por mais leve que se escolha levá-la, sempre terão obstáculos capazes de nos tirar o eixo por vezes e por outras de nos fazer desacreditar de tudo, até mesmo do amor.
Eu ainda não cheguei a este ponto, confesso inclusive que tenho me apresentado a este sentimento de forma mais cautelosa ultimamente, e tem sido bom. No dia a dia os defeitos não parecem monstros de filmes de terror e as qualidades assumem um gosto bem mais saboroso do que simples água com açúcar, o que vale é a nossa vontade de viver o certo, mesmo que ainda não tenhamos toda a certeza do mundo ou que ainda exista aquele medinho de que se esteja vivendo o certo com a pessoa errada.
“É louco, é pouco
De ego e de vaidade
A gente fica cego
E não consegue ver
O óbvio, o todo
O que é de verdade
E num minuto
A gente põe tudo a perder
Eu sei que, eu não sei de nada
Eu não entendo nada
Do que eu sinto por você
Será que eu fiz a coisa certa
Com a pessoa errada
Como é que a gente vai saber?”
(A pessoa errada - Paulo Ricardo)

domingo, 23 de outubro de 2011

Horário de tempão!



Felizmente para alguns e para a tristeza de tantos outros os ponteiros adiantaram-se uma hora na última semana e o horário brasileiro de verão começou nas regiões sul, sudeste, centro-oeste e no estado da Bahia que neste ano também aderiu à ideia. Para quem gosta do período, neste ano o deleite será longo: cento e trinta e três dias (o período mais longo desde 1985) que poderão significar a economia de até cem milhões de reais para o país devido à possibilidade de se poupar energia nos dias de luz estendida.
Contudo, escutei muitas pessoas reclamando esta semana sobre a mudança do horário de verão. Foram inúmeras reclamações de atraso, de acordar de madrugada e dormir com o sol a pino. Além da dificuldade de se acostumar com o novo fuso horário foram incansáveis as reclamações sobre o dia estar mais curto. Escutei isso no ônibus, na academia, na fila da padaria e até no consultório médico.
Sinceramente não consigo entender essa dificuldade de se adaptar ao horário de verão. Particularmente adoro esse período e ao contrário de muitos, acho que meus dias ficam mais longos, mais produtivos e me sinto bem mais disposta.
O fato é que se adiantamos uma hora no relógio não quer dizer que perdemos um dia. Foi só uma hora, quantas vezes você não teve que acordar uma hora mais cedo do que o programado? Foi apenas isso, dormimos no sábado certos de que acordaríamos uma hora mais cedo no domingo, só isso nada mais.
É claro que com isso o dia demora um pouco mais para despertar, o sol preguiçoso começa a dar sua cara um pouco mais tarde do que de costume, mas nada comparado ao exagero dito por alguns que afirmam que se acordarem às sete da manhã terão que andar com uma lanterna acesa pela rua.
Além do que, a recompensa do dia tardio vem rápida, bem ali no final da tarde, quando o sol se estende até quase oito da noite, num colorido gostoso. Permiti-me mudar até o percurso que faço para ir ao trabalho e voltar da academia nesses dias, descobri na luz do dia lugares que nem cogitava imaginar bem ali no meio do meu caminho.
Acho inclusive que os dias ficam mais longos com o horário de verão. Pode ser pelo fato de me caracterizar como alguém de hábitos diurnos que não funciona muito bem à noite, mas tenho conseguido fazer um monte de coisa que antes estavam esquecidas, pois a elas nunca sobrava tempo.
A única dificuldade que tenho é de adaptar-me a este dia iluminado estendido, frequentemente me perco nos ponteiros do horário de verão e quando dou conta já passou da hora de dormir. Mas não vejo isso como algo negativo, é um bom sinal, não ver o tempo passar é sinônimo de realização.
Quando estamos nos dedicando a algo importante, ou ao lado de uma companhia agradável dificilmente lembramos do relógio. O tempo parece passar apressado, mas na verdade o que acontece é que ele foi bem aproveitado, só isso.
Já ficou ocioso por um longo período? Creio que apenas o ócio é capaz de nos mostrar quanto tempo temos. O que nos falta é coragem para administrá-lo. E digo coragem e não sabedoria, pois a maioria de nós sabe exatamente com o quê deve gastar mais tempo, mas geralmente não o faz por medo, pela rotina ou pela pressão do senso comum.
Se pudesse dizer algo a todos que reclamaram do horário de verão nesta semana seria justamente isso, não importa se é horário de verão, de primavera, outono ou inverno. Não importa se o dia é mais longo ou curto ou se a noite invade o dia madrugada afora, muito menos se perdemos uma hora. O dia continua tendo suas vinte e quatro horas, todas ali, cravadas, cabe a nós fazer deste tempo um tempinho ou um tempão. Aliás, fica aqui a sugestão, ao invés de horário de verão, acho que poderíamos chamá-lo de horário de tempão, ou melhor: Horário de tempo bom!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Plano?! Que plano?!

O que me move a escrever hoje é a indignação. Se não todos, a maioria de vocês sabe que sou assistente social, trabalho diariamente pela incessante busca de efetivação dos direitos sociais. Aliás, até hoje me perguntam: o que faz o assistente social? E está é minha única resposta: trabalho para informar a população sobre seus direitos, lhes garantido a oportunidade de acessá-los.
Tudo muito lindo no papel. Diariamente esbarro nos limites institucionais, na ausência de recursos e essencialmente na precária efetivação de direitos sociais. Entenda que não tenho como objetivo primordial tirar ninguém da miséria e elevá-lo ao posto de milionário do ano, minha busca é pela efetivação do mínimo, daquilo que já deveria existir sem a necessidade de cobrança, pois está garantido na Constituição Federal, porque é lei e é para todos igualmente, mais que isso, equanimente, ou pelo menos deveria ser.
E a estes mínimos se inclui o acesso com dignidade e qualidade aos serviços de saúde, educação, habitação, segurança alimentar, capacitação profissional, lazer, cultura e por ai vai. Resumindo, o acesso a tudo aquilo que é essencial ao ser humano e à sua formação, a sua sobrevivência. Mas a cada dia tenho mais certeza de que neste país, infelizmente, as leis existem apenas nos papéis, ficam lá engavetadas, esquecidas, encardidas sem efetividade alguma.
Cansei de encaminhar munícipes para o acesso a estes serviços básicos e vê-los retornando sem atendimento. E muitos me diziam: se eu tivesse condição pagava um convênio médico! Ou ainda: Se eu pudesse colocava meu filho em uma escola particular! Até mesmo aqueles que dependem do serviço público estão discursando a favor da privatização, será que isso não quer dizer alguma coisa?!
Pois hoje fui cerceada em um de meus direitos e assim como as famílias a quem atendo diariamente me senti indignada, impotente, ridicularizada. Feliz ou infelizmente (já não sei mais) sou conveniada em um Plano de Saúde que deveria me garantir o atendimento necessário fora da rede pública de saúde. Digo deveria, pois levei pelo menos uns vinte “nãos” durante a tentativa de agendar consulta com um especialista.
Estou gripada há mais de duas semanas. Já passei pela consulta com clínico geral duas vezes, na primeira delas o médico nem olhou para mim, perguntou o que eu sentia, não me examinou, me mandou tomar duas injeções e me deu uma receita que custou mais de quarenta reais. Fácil atender assim, não é?! Eu já apresento os sintomas, sugiro um diagnóstico e ele não precisa nem ser simpático, só assina um papel e chama o próximo. Mas o médico era ele e não eu, então acreditando na competência do doutor, gastei com o remédio, tomei direitinho e nada dos sintomas passarem.
Segunda consulta, o médico perguntou novamente o que eu tinha, desta vez limitou-se a examinar minha garganta, passou outra receita, que desta vez custou quase cinquenta reais e mais uma injeção e me mandou para casa descansar. Entupi-me de remédios, tomei todos, na hora certa, no dia certo, até acabar e adivinhe?! Fiquei pior do que estava.
Então pensei: está na hora de passar com um especialista! A ideia brilhante foi péssima. Liguei em todos, pasmem, em todos os otorrinolaringologistas conveniados ao meu plano de saúde e nenhum deles poderia me atender antes de vinte dias. Tudo bem que já estou doente há quinze, mas esperar mais vinte dias para melhorar é no mínimo absurdo, não acha?!
Lembrei-me então da resolução n°259 da Agência Nacional de Saúde Suplementar- ANS que em junho deste ano estabeleceu prazos para o agendamento de consultas nos Planos de saúde, sendo que os Planos teriam noventa dias para colocá-la em prática, tendo este prazo se esgotado no último dia vinte de setembro. Assim, comecei a questionar nos consultórios sobre esta lei e me mandavam reclamar no convênio.
Foi então que comecei a rodar igual pião. Liga daqui, passa para lá, aguarda aqui, chama o fulano de lá. Falei com umas seis pessoas e ninguém sabia me informar o que estava acontecendo. Por fim, uma das representantes do convênio me disse que os médicos estavam se desconveniando e que os conveniados não tinham data na agenda para respeitar a lei e que nada poderia ser feito.
Assim, me vi mais uma vez obrigada a pensar por ela e dei inúmeras sugestões lembrando todo o tempo que a obrigação de cumprir a resolução era do convênio e ela é que tinha que se entender com os consultórios, não eu. Fiz questão de lembrá-los também que pago pela saúde duas vezes e que já não uso o Sistema Único de Saúde, na expectativa de que quando fosse necessário poderia ser atendida pelo tal Plano de Saúde.
Então me questiono: Plano de saúde. Que plano é esse?! Nunca vi nome mais ridículo para um serviço. Convênio médico, que raio de convênio é esse?! Ninguém planeja absolutamente nada e não existe cooperação entre prestador e consumidor, está tudo errado!
Minha alma de assistente social, mesmo gripada, não suportou os “nãos” e fez questão de buscar uma solução para o problema. Então pensei: reclamar é o primeiro passo. Elaborei uma reclamação por escrito e fui até o site da ANS, postei a queixa, coloquei meus dados pessoais para contato e no último estágio do processo de reclamação descobri que o meu Plano ou Convênio, ou seja lá o que for não está na relação de operadoras ativas da ANS e devido a isso não seria possível concluir minha reclamação.
Fiquei ainda mais indignada quando vi no site da ANS a divulgação da resolução, aclamando sua aprovação e destacando a consulta pública realizada antes de sua aprovação com mais de três mil contribuições. Ótimo! Sou totalmente favorável à consulta pública, incentivo diariamente a participação popular, mas que respeito é dado aos que participam? Os três mil que deixaram sua contribuição, na esperança de melhorar o serviço de seu plano de saúde, provavelmente estão tendo as mesmas dificuldades que tive hoje.
Que beleza, não?! Fazer o que agora?! Bolar um plano contra o Plano de Saúde? Fazer um convênio com alguém capaz de resolver a burocracia e intransigência do Convênio? A única coisa que me passou pela mente foi escrever este texto e mandar a reclamação que já está pronta por escrito para a diretoria da Fundação que administra meu Plano de saúde. Fora isso, pretendo rezar bastante para melhorar antes dos vinte dias da consulta e manter minha sanidade, pois que dá vontade de fazer besteira dá.
Mas é isso... O jeito é respirar fundo, manter a calma, sem perder a indignação, pois ela é capaz de nos mover mesmo quando todos nossos músculos doem. Amanhã pretendo tentar novamente uma negociação com o Plano de saúde, até lá espero que assim como eu você também não perca sua capacidade de se indignar, pois acho que o importante é ter:


“(...) certeza daquilo que me conforma
Daquilo que quero entender
E não acomodar com o que incomoda”.
(Criado-mudo – O Teatro Mágico)

domingo, 2 de outubro de 2011

Relacionamento sim senhor!

Na semana passada refleti sobre um tema que causa inquietação e murmúrios por toda parte. O tal “casamento” movimentou minhas redes sociais e meu Blog, provando por A + B que por mais que se diga o contrário todas as pessoas precisam, gostando ou não, falar sobre relacionamentos, seja para exaltá-los ou criticá-los, o fato é que esse é um tema que nunca sai de moda.
Estive numa livraria semana passada e perdi a conta dos livros que traziam em seu título dicas para casais, orientação para pais e filhos ou passo-a-passo para relacionar-se com seu chefe. Relacionar-se é inevitável, vivemos em um mundo de relações, ora de amor, ora de poder, ora de concessões ou conquistas, mas sempre permeadas por pessoas.
Pensando nisso é possível entender o pavor de algumas pessoas ao terem que expor sua opinião em público, a angústia de uma divergência entre casais, a vergonha de falar o que se sente, o medo de contar o que se passa na relação mais íntima que conseguimos ter: aquela que é da gente com a gente mesmo.
Quando não nos aceitamos dificilmente conseguimos aceitar o outro. Quando não nos compreendemos, provavelmente entender o outro será um grande desafio. Quando não conseguimos ouvir nosso coração, raramente conseguimos ouvir um coração que se abre para nós.
Não pretendo falar sobre relacionamento entre casais, minha intenção hoje é outra, é apontar um conceito de relacionamento muito mais amplo e que pode influenciar não só sua relação com as pessoas, mas inclusive quais pessoas gostarão ou poderão fazer parte das suas relações.
Existem pessoas que fazem parte da nossa rede de relações obrigatoriamente desde o início de nossa existência, aprendemos com elas nossos primeiros passos, nossos sabores e dissabores sobre todos os “sins” e “nãos” dessa vida. Essas pessoas, as quais chamamos de família não foram escolhidas por nós, pelo menos não nesta vida e a decisão por mantermos ou não nossos laços com elas cabe apenas a nós mesmos.
Cansei de ouvir histórias de famílias rompidas, não falo aqui de separação, pois existem muitos casais que mesmo separados conseguem manter os laços familiares, falo de rompimentos que culminaram no desencontro de caminhos, na ausência de se compartilhar o que se vive, o que se sente e o que se espera da vida.
Quebrar uma relação de afinidade, quando se trata de um membro familiar, poderia ser comparado a se retirar do jogo uma carta fundamental do baralho, deixando ali um buraco, um espaço, que omite sentimentos e geralmente não assume vontades, mas um espaço que pode voltar a ser ocupado a qualquer tempo, tão logo se volte a carta ao jogo.
Creio, contudo, que de todas as relações àquelas que mais nos consomem não são as familiares, mas as escolhidas por nós, as relações de amizade, de amor, de trabalho. Relações por vezes inevitáveis, construídas por obrigação em alguns casos, por pura afinidade em outros e que cuja continuidade já não depende exclusivamente de nós. Neste tipo de relação, quando se dá o rompimento, por vezes, reatá-la é tarefa quase impossível.
Oras, mas será que é por esse motivo que por tantas vezes se parece muito mais doloroso romper com uma relação de afinidade do que familiar? Ótima pergunta...Confesso que não tenho resposta para isso, mas algumas suposições...
Quando estamos no nosso ambiente familiar podemos ser verdadeiramente nós, em nossa essência, afinal são pessoas que nos viram nascer, que sabem como somos e o que pensamos, do que gostamos e o que abominamos. Não é preciso fazer tipo para as pessoas que te conhecem tão bem. Não é preciso fingir que gosta ou que está de bom humor no único local onde você pode ser você mesmo.
As demais relações presumem conquista, confiança e para sermos aceitos precisamos nos mostrar confiantes, simpáticos, alegres, cheios de vida e de bons sentimentos. É isso que atraia as pessoas, é isso que faz brilhar os olhos e a outra pessoa dizer: nossa que garota legal. E fazemos isso inconscientemente, o ser humano por sua natureza não vive só e para tanto precisa de aprovação, precisa ser acolhido por um, dois, ou dez grupos para sentir-se útil, para sentir-se vivo.
Assim, quando se rompe um vínculo de amizade, de amor, de trabalho, a dor é por vezes pior que um conflito familiar, pois inevitavelmente se irá pensar: mas eu fiz tanta coisa por essa relação! Eu me doei, eu me desgastei, eu mudei meu jeito de ser...E agora por mais que eu queira não há meio de reatar esse laço.
Creio que todos já passaram por isso antes, e se não todos, posso afirmar também que a grande maioria se decepcionou grandemente. E aqui está o grande segredo do medo de nos relacionarmos, aqui está o motivo do tema relacionamento causar tanto burburinho: mais difícil que relacionar-se é deixar de relacionar-se.
Nossas maiores dores são por perdas, os ganhos são computados em escalas milimétricas, já as perdas...Ah! Essas assumem escalas em quilômetros quadrados. Se perdemos tanto é porque doamos demais, é porque investimos demais, é porque esperamos demais e sobretudo porque gastamos força demais.
Então me pergunto: será que já não é hora de deixarmos nossa energia para os ganhos? Será que já não é hora de pararmos de tentar agradar o tempo todo? Será que já não passou da hora de tirarmos as máscaras em nossos relacionamentos?!
Relacionamento é bom, sim senhor! É maravilhoso estar com as pessoas, saber o que elas pensam, no que elas acreditam e até discordar delas, mas isso não significa que você precisa gastar energia mudando seu comportamento, suas ideias, seus desejos para aparecer mais bonita na foto, mais inteligente no grupo, mais legal na sala de aula.
No dia em que nos sentirmos como em casa, amparados em uma zona de conforto que afasta o medo de não sermos aceitos diante de nossos amigos, de nosso companheiro, dos nossos colegas de trabalho poderemos assumir relacionamentos verdadeiros, relacionamentos pautados na única verdade que é válida nesta vida: aquela que você conta para você mesmo.
Sugiro então que sejam jogadas todas as máscaras no lixo, deixadas as capas e os sorrisos falsos no baú antes de se abrir a porta para um novo relacionamento, só assim deixaremos de ter medo de nos relacionar, pois não haverá mais testes, mais cobranças, afinal quem estará na porta da frente será você com toda sua essência, incluindo aqui o que se tem de melhor e pior, restando pouco para se descobrir e criticar.
Vamos perder o medo de nos relacionar! Vamos perder este medo da melhor maneira possível: nos relacionando! Não existe melhor hora, nem lugar, onde houver pessoas é possível se despir dos preconceitos e dos temores para colocar o primeiro livro na estante dos relacionamentos e posso garantir que quanto maior o número de títulos mais interessante será a SUA história...

domingo, 25 de setembro de 2011

Casar ou comprar uma bicicleta?!


Convivo há mais de doze anos com três pessoas que se tornaram essenciais na minha vida. São três amigos maravilhosos (a ruiva, o loiro e o moreno) que vivem me cobrando para falar deles nos meus textos e por mais que eu já tenha afirmado a presença deles em muitas histórias ainda não se contentaram.
No último mês, contudo, me sobraram motivos para escrever um pouco sobre a relação de amizade e cumplicidade que nos une, principalmente pelo fato dos três terem entrado em uma nova fase de suas vidas. No final do mês passado um deles, a minha amiga ruiva, foi pedida em casamento e o amigo loiro casou-se. Como não poderia deixar de ser, o moreno, que mora em outro país e vive em uma união mais que estável, anunciou nesta semana que vai ser papai e eu consequentemente serei titia.
As três notícias me fizeram imensamente feliz. Vibrei ao saber que finalmente minha amiga realizaria o sonho de se casar, me emocionei na cerimônia que coroou a união de um amigo que fez parte de tantos momentos da minha vida, e cheguei a chorar ao saber sobre a gestação do meu sobrinho, afinal, esses amigos são mais que irmãos para mim, são verdadeiros guardiões, meus anjos sem asa.
Nesses mais de dez anos de amizade não teve um dia sequer em que não pensasse neles, não teve uma notícia ruim ou maravilhosa que não tivéssemos compartilhado, não teve segredo, ofensa ou deslealdade e assim continua sendo: amizade verdadeira, para o resto da vida.
Na cerimônia de casamento, o quarteto fantástico (que por conta da distância e dos rumos que a vida deu a cada um de nós, se encontra bem menos do que gostaria) conseguiu se reunir e pudemos relembrar algumas histórias do início da nossa amizade, imaginar o futuro e aproveitar cada segundo do presente que nos unia mais uma vez.
O padre durante a benção aos noivos utilizou-se do texto Sermão de Casamento, de Mário Quintana para a realização dos votos e achei tal atitude brilhante. Aquela história de ser fiel na alegria e na tristeza, até que a morte os separe, já caiu por terra há muito tempo. Ninguém é obrigado a viver na tristeza esperando a morte chegar, ninguém é obrigado a suportar o desrespeito e a infelicidade só para manter as aparências e, apesar de muitas pessoas o fazerem, creio que não deveriam.
Meu último relacionamento me trouxe algumas cicatrizes, mas me ensinou que ninguém é obrigado a ser infeliz nem sequer por um dia condicionado a outra pessoa. A felicidade de um relacionamento está justamente na liberdade, no respeito à decisão do outro. O amor consiste em querer bem ao outro mesmo que longe das amarras. Foi então que notei que não precisava nem dele nem de ninguém para ser feliz. A felicidade real estava nos meus olhos, no meu querer e não precisei de muito para encontrá-la dentro de mim.
Estar com meus amigos naquele dia, escutar aqueles votos tão modernos, saber da felicidade em cada um deles e da cumplicidade que nos une, me deixou feliz. Mesmo sendo a única “avulsa” do quarteto, não me senti sozinha nem durante a dança a dois, nem durante o brinde, pois um deles sempre estava por perto, me fazendo rir e me mostrando mais uma vez que não preciso de muito para me sentir bem.
Apesar da liberdade e da felicidade que tenho sentido constantemente por poder viver só para mim e por mim nos últimos meses, me fazendo redescobrir do que eu gosto, do que eu preciso, o que eu quero e o que abomino sem medo do que os outros vão pensar ou se isso é atrativo ou não...Quando se passa dos vinte e cinco e se começa a receber convites para ser madrinha de casamento ou batismo, quando encontra colegas da escola e os vê com filhos nos braços ou aliança nos dedos, quando você encontra com sua família e a primeira pergunta que te fazem é porque você ainda não casou, algumas inquietações começam a perturbar entre elas a crucial dúvida: Casar ou comprar uma bicicleta?
Conheço pessoas que assumiram a primeira opção e estão felizes da vida, outras que fizeram a primeira escolha a deixaram de lado e hoje não pensam nessa possibilidade nunca mais, assim como têm aqueles que mesmo não seguindo o juramento na primeira escolha ainda buscam outra oportunidade de concretizar um casamento feliz. Quanto aqueles que optaram pela segunda opção pouco os vejo com anseio de assumir a primeira, geralmente estão certos de que o caminho é esse. Mas existem ainda outras pessoas que não se decidiram e hoje me encaixo nessa terceira lista.
Tenho passado dias tão felizes nos últimos meses, tenho me realizado com tanta coisa e tenho visto tantos casais brigando, tanta pressão de alguns relacionamentos que chego a me sentir sufocada por eles. Outro dia sai para jantar com um amigo e disse a ele: se você fosse meu namorado provavelmente não teríamos nos divertido tanto, pois com certeza alguma coisa para se criticar ia aparecer durante, antes ou depois do jantar.
E é exatamente assim que estou me sentindo em relação a relacionamentos. Não estou amarga, fiquem despreocupados, não desisti de me apaixonar, mas é que tem sido tão bom estar sozinha, sem cobrança, sem crítica, sem a obrigação de abrir mão disso ou daquilo pra evitar uma cara feia, uma discussão. É tão simples ser feliz! Não quero me aborrecer, então porque me incomodar com o fato de estar chegando perto dos trinta anos e estar solteira?
Pelos outros. Essa é a melhor resposta. Pela família, pela sociedade, pelos amigos, por eles que me incomodo tanto, por eles que tantas pessoas uniram-se e vivem infelizes e outras tantas estão com casamento marcado mesmo já tendo escolhido a bicicleta.
Estou disposta a não me torturar mais. Não vou fazer mais nada para agradar os outros, a não ser que seja esse o meu querer. Não quero mais namorar alguém só por me sentir sozinha, ou por ser cobrada por estar sozinha, hoje me lembro de todas as vezes que me senti sozinha mesmo ao lado de alguém e quer saber? A minha solidão hoje é saudável a outra nunca foi.
Não abandonei meus sonhos, só deixei de alimentar alguns deles por enquanto. Ainda quero ter uma família, um filho quem sabe, mas para isso eu preciso estar bem e descobri que tenho conseguido ser bem mais feliz, em um espaço bem restrito que existe entre o casamento e a bicicleta. Então, para quem ainda não se decidiu ou está repensando a escolha eu sugiro subir no muro, aqui de cima os horizontes são bem mais amplos e é possível descobrir bem mais que dois caminhos...
Suba no muro, escute seu coração, feche os ouvidos para os outros e seja tão feliz quanto puder suportar! Garanto que não irá se arrepender...

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Desgraça pouca é bobagem! (Conclusão)


Finalmente chego ao final desta trilogia que de tanto enrosco estava parecendo a história sem fim. Para quem chegou agora nessa viagem, não se preocupe, adianto o ocorrido em suma e lhes convido a ler os detalhes em publicações anteriores, para entender com clareza todo o mistério que envolve essa trama de imprevistos.
Para começar, diria que se trata da descrição de um dia de caos. Dia esse que se iniciou numa manhã fria de sábado, com um fusível queimado, um banho frio, seguido por um carro atropelado por outro carro no final da noite, carro esse que pertencia a uma querida amiga (que estava apenas de passagem pela minha casa) e que estava estacionado em frente ao meu prédio, em uma rua reta. Ressalto que o infrator não tinha seguro.
Se bem me lembro, o último fato relatado foi a entrega do documento pelo motorista maluco e a bem sucedida tentativa de acionar o seguro por parte da minha amiga. Pois bem, seguro acionado era hora de pensar no que seria feito do prejuízo.
Para não torná-lo ainda maior, minha amiga decidiu ir embora com o guincho até a cidade dela e para tanto voltamos ao apartamento para organizar sua mala. Ao entrarmos encontramos a casa toda iluminada, com a televisão ligada e o telefone fora do gancho, tudo no lugar em que havíamos deixado quando saímos correndo para saber o que estava acontecendo ao ouvir a batida.
Acontece que o caos parecia longe de terminar e para nossa surpresa e descrédito, após uns dez ou quinze minutos da nossa chegada a luz do apartamento simplesmente desapareceu. Tudo parou de funcionar, nenhuma lâmpada, nenhuma tomada, nada, ficamos totalmente no escuro. Na mesma hora pensei: Maldito fusível! Contudo, ao investigar a casa toda percebi que nada funcionava, e seria impossível encontrar o problema naquela escuridão, então o jeito era terminar de arrumar as coisas dela pelo tato e descer.
Utilizamos as lanternas do celular para buscar as coisas que estavam espalhadas pelo quarto, nos assegurando de que tudo estava dentro da mala. Ao sair no corredor, percebi que o problema (feliz ou infelizmente) não era apenas do meu apartamento, mas sim do prédio todo. A luz do hall, os elevadores, nada tinha sinal. Como consequência tivemos que descer 12 andares de escada, com uma mala nas mãos, parecendo estrelas de um filme de terror de péssimo gosto.
Durante o percurso encontrei diversos vizinhos assustados, com velas nas mãos querendo saber o que tinha acontecido, mas nem me arrisquei a contar, pois se soubesse do nosso dia de caos com certeza atribuiriam a nós a culpa por ter faltado energia no prédio.
Ao chegar à calçada percebemos que a força havia acabado não só no prédio, mas no quarteirão inteiro. Pelo menos não ficamos presas no elevador, isso sim seriam uma tragédia!
De volta ao local do acidente, foram fechados os últimos ajustes do acordo para que o seguro fosse acionado e minha amiga não ficasse com o pior dos prejuízos. Conversa findada, nos despedimos do motorista maluco que ainda teve a ousadia de dizer:
- Mas já vou ter que ir embora? A companhia está tão boa!
Mal ele saiu e nós caímos na risada, mas será possível que nem nessa situação nos livramos dessas cantadas baratas?!
Já passava das dez horas da noite e nada do guincho chegar, meu estômago começou a dar sinais de que estava com fome. Deixar o carro ali não era uma boa, a porta do motorista não fechava e a última coisa que faltava era ele ser roubado e isso não desejaríamos de jeito nenhum, o jeito era ficar por ali até que o guincho chegasse.
Para amenizar a fome, fui ao apartamento e desci com dois pedaços de pizza da noite anterior, lanchinhos com queijo e requeijão e uma garrafa de refrigerante. Já que tudo de pior tinha acontecido, engordar uns quilinhos não seria nada e confesso que nunca tinha feito um piquenique no carro noite adentro, mas até que foi engraçado.
Entramos no carro batido para fugir da chuva e do frio e lá ficamos, comendo, relembrando cada minuto desse dia que pareceu mentira e pensando em como teria sido o último capítulo da novela, até o guincho chegar.
Com a chegada do guincho nos despedimos do carro e de sua dona, que deve ter pensado mil coisas na longa viagem de volta para casa, sentada naquele caminhão, levando o carro na garupa.
Quanto a mim, ganhei uma gripe daquelas e aprendi algumas preciosas lições: carro sem seguro não é seguro. Morar no décimo segundo andar nem sempre é vantagem. Nunca indique uma vaga para seu amigo estacionar. Os eletricistas cobram mais caro aos finais de semana. Nunca se deve deixar a geladeira vazia. É melhor descer doze andares de escada no escuro do que ficar preso no elevador. Sempre é prudente ter velas ou uma lanterna em casa. Para manter a calma geralmente é preciso uma terceira pessoa. Na internet você encontra todos os últimos capítulos de todas as novelas. Nunca se está livre de uma cantada barata. Um piquenique é propício em qualquer lugar onde exista fome. Amigas de verdade te fazem rir até nos piores momentos. E a principal delas: sempre tenha uma câmera fotográfica em mãos, pois tem coisas que se contar, ninguém acredita!
Estou pensando em lançar um quite para pessoas que vivem sofrendo com a ironia do destino, existem coisas que geralmente são esquecidas, mas que podem ser muito úteis em ocasiões como as que vivemos nesse sábado caótico. Agora além do guarda-chuva, do par de meias e de uma chave reserva da casa eu também vou ter uma lanterna dentro da bolsa e o telefone de um guincho e de um eletricista.
Aos que acompanharam todo o desenrolar e desfecho dessa história agradeço a paciência e informo que tudo se desenrolou bem depois do sábado sem fim, que mais pareceu o parque dos horrores. E para quem acha que prevenir não é o melhor remédio, diria que a precaução é sempre uma boa escolha mesmo diante do imprevisível, pois vai que...

domingo, 4 de setembro de 2011

Desgraça pouca é bobagem! (Parte II)

Bem, como dizia na semana passada, existem coisas simplesmente inacreditáveis e imprevisíveis. Há quem diga que consegue planejar seus dias e prever o futuro, a eles diria com garantia que deveriam abrir algum negócio, pois com certeza seria lucrativo, visto que a única coisa certa nesta vida é a morte e nem isso pode ser planejado.
Para quem não está por dentro do assunto, na semana passada comecei a contar um dia de caos compartilhado por mim e por uma grande amiga. Tendo seu início numa manhã fria de sábado, com um fusível queimado, um banho frio, chuva e por fim um carro literalmente atropelado por outro carro. Na ocasião a vítima era o carro da minha amiga que estava estacionado na rua reta, bem em frente à entrada do meu prédio.
O estrago no veículo foi grande. Depois de chegarmos ao local e verificar o tamanho do prejuízo foi hora de começar a pensar em providências. Olhei em volta e não vi sinal de polícia, as viaturas que vivem rondando o quarteirão passaram bem longe naquela noite chuvosa, o jeito era acionar um veículo:
- Polícia Emergência.
- Boa noite, aconteceu um acidente de carro e gostaria de fazer um Boletim de Ocorrência.
- O acidente foi entre dois veículos senhora?
- Mais precisamente três, um carro bateu e acertou dois veículos estacionados.
- Existem vítimas no acidente, senhora?
- Não.
- Nesse caso o B.O. pode ser feito na segunda-feira a partir das seis horas da manhã, mais alguma dúvida?
- Todas! A dona do veículo que sofreu a batida não é daqui, ela precisa acionar o seguro, fazer o B.O. hoje, não pode mandar uma viatura ao local?
- Não senhora, este serviço fica disponível a partir de segunda-feira, só mandamos viatura se tiver vítima.
Na mesma hora pensei, logo vai ter uma aqui, minha amiga vai enfartar e eu junto. Sem saber mais o que falar, passei o telefone pra minha amiga e disse:
- A polícia não vem, o B.O. só na segunda.
Ela ainda tentou insistir, mas como viu que não teria sucesso o jeito foi tentar amenizar o prejuízo falando com jeitinho com o motorista maluco:
- Você está bêbado?
- Claro que não moça!
- E como você conseguiu a proeza de acertar meu carro ali, estacionado, você colocou meu carro na calçada!
- Eu tive que desviar de uma moto, e ai perdi o controle, moça, mil desculpas.
- Você tem seguro?
- Não.
Danou-se. Pronto, agora sim a confusão ia começar a tomar corpo. O Zé mané não dispunha de seguro, nem de sorte porque acertou os dois carros de uma só vez, sendo o alvo principal o carro da minha amiga.
Depois de muita explicação e conversinha avistamos a chegada dos agentes de trânsito, preocupados com a liberação da rua, visto que o carro havia ficado atravessado, atrapalhando a passagem. Nem quiseram saber de quem era o prejuízo. Perguntei a um deles sobre a história de não poder fazer BO nos finais de semana e a informação foi confirmada, depois vi enquanto perguntavam ao motorista como havia conseguido acertar dois carros ao mesmo tempo, naquela reta, mas mais uma vez o mistério pairou no ar...Acho que ninguém nunca vai saber exatamente o que aconteceu.
Bom, depois de tirar o carro do meio da rua, foram todos os agentes de trânsito embora e lá ficamos, eu, minha amiga e uma segunda amiga que veio tentar manter o controle da situação (aliás, ela fez ótimas fotos da batida que podem confirmar essa história que parece mentira, diga-se de passagem).
Depois de quase uma hora no telefone com a empresa do seguro, minha amiga conseguiu o envio de um guincho para que o carro fosse levado até a cidade dela. Nessas horas é que vemos se o serviço realmente funciona, o que ela comprou aparentemente era mesmo “seguro”, afinal, tudo pareceu correr bem.
Seguro acionado, restava fazer o acordo com o motorista que deve ter tirado carta em algum carrinho de batida de parques de diversões e esperar o guincho chegar. O motorista parecia apesar de Mané, ser de boa fé e estava disposto a colaborar com o que fosse preciso, então fui logo ao que interessava:
- Me empresta seu RG, preciso anotar seus dados.
- O número é tal, tal, tal.
- O senhor não entendeu, eu quero ver o número do RG e a Carteira de Habilitação.
- Por quê? Você não confia em mim?
- Ah! Mudou?!
- O quê?
- O senhor bate num carro estacionado, não tem seguro e eu tenho que confiar em você? Nós nem nos conhecemos, o mínimo que o senhor faz é passar todas as informações.
Depois dessa ele entendeu que estávamos dispostas a encerrar logo aquela confusão, passou nome, telefone, endereço, placa do carro, documento, tudo e ficou nos atormentando com um discurso que estava mais para filosofia de bar do que desculpas sinceras.
Mas o resto desta história eu conto na próxima semana, ao apresentar o último capítulo que infelizmente não foi o da novela, mas teve um final bem atípico, muito diferente dos que se costuma ver nos folhetins.

Ilustração: O estado caótico - J. Victtor. Disponível em: http://blog.jvicttor.com.br/2008/12/12/o-estado-caotico/

domingo, 28 de agosto de 2011

Desgraça pouca ... (Parte I)


Até agora tento entender o que aconteceu. Lembro-me de cada detalhe e cada vez mais me pergunto como foi possível acontecer tudo aquilo. Talvez tenha sido um daqueles dias de confusão astronômica, onde o caos se instala dentro de segundos e torna tudo complicado e atípico. Se for isso mesmo menos mal, pois dizem que essa raridade acontece a cada 5 ou 10 anos, quando se faz necessário o início de um novo ciclo.
Tudo começou com a vinda de uma querida amiga para passar o final de semana em casa, a chegada programada com antecedência devia-se à necessidade de assistir uma aula da pós-graduação, mas mais do que isso serviria também para que pudéssemos colocar o papo em dia e relembrar bons tempos.
Sexta-feira foi um dia comum, jantamos juntas, colocamos o papo em dia, pudemos rever alguns amigos, ouvir boa música e chegar em casa com tranquilidade. Creio que a mudança brusca de temperatura e a chuva gelada que nos recebeu naquela noite, já poderia ser o início do caos, mas até então, nunca poderíamos prever o que seria o nosso sábado.
Acordar cedo não foi fácil, mas era preciso, a aula começava as oito e tínhamos o dia todo pela frente. Enquanto minha amiga tomava banho resolvi secar meu cabelo e eis que começa a se instalar o ciclo do caos, coisa de cinco minutos depois do secador ligado escuto ela gritando no banheiro:
- Amiga, ficou tudo escuro aqui e a água está fria.
O secador que também havia parado de funcionar, me indicava que o problema era mais grave do que eu pensava. Corri para a sala e percebi que nenhuma luz da casa acendia, nem as tomadas funcionavam. Abri a caixa de força e arrisquei trocar um fusível, sem sucesso.
O jeito foi ela terminar o banho com a água fria (lembrando que a temperatura não estava nada convidativa para isso) e eu tive que desembolsar uma grana para chamar um eletricista no sábado de manhã.
Ela foi para a aula, mais acordada do que nunca, afinal o banho frio serviu para alguma coisa, e eu fiquei esperando o eletricista. O rapaz que já havia me socorrido em outra situação me alertou que nunca, jamais, nem em pensamento, eu poderia ligar o chuveiro e o secador ou o micro-ondas ou ainda a máquina de lavar ao mesmo tempo. Por sorte tinha um fusível de reserva e foi possível restabelecer a energia do apartamento, garantindo assim o banho quente e o último capítulo da novela no final da noite.
Peguei um ônibus e fui para a aula. Não consegui chegar antes do intervalo da manhã, já que precisei aguardar dez minutos até a chegada do ônibus e enfim, depois de meia hora chegar à aula, já perto do intervalo do almoço. Fui presenteada por outra chuva fina e gelada antes de entrar na sala, mas garanti o acompanhamento da disciplina até o final.
No final da aula nos reunimos com alguns colegas de sala para colocar a conversa em dia e falar sobre as pérolas ditas na sala e tão logo decidimos voltar para casa o caos se reinstalou. A chuva voltou a cair, ainda fina, como uma garoa. Chegamos à rua do apartamento e minha amiga disse:
- Você acha que tem algum perigo caso eu decida deixar o carro aqui na rua até irmos ao mercado?
- Não tem não, quando voltarmos você coloca no estacionamento, agora é tranquilo.
Ressalta-se que a intenção era subir, tomar um banho quente, ir ao mercado comprar comida e ir à casa de outra amiga para assistir o último capítulo da novela que ambas acompanharam do início ao fim (ou quase fim). Mas enfim, continuando o diálogo:
- E onde você acha melhor estacionar?
- Estaciona ali na frente, assim podemos ver o carro da janela do meu quarto.
- Nossa, será que consigo parar nessa vaga?
- Mas é claro, olha o tamanho da vaga! Você consegue!
Ela manobrou com cuidado, parou o carro, descemos e dez minutos depois de entrar no apartamento escutamos um barulho enorme e o som de um alarme. Na mesma hora ela gritou:
- Taline, o meu carro!
Olhamos pela janela e avistamos do décimo segundo andar o carro dela na calçada, atingido por outro carro na lateral.
Abro um parêntese para informar que não moro em uma curva, meu apartamento fica em uma rua reta, com pouco movimento aos finais de semana, sem contar que a vaga onde ela estacionou, era precedida por uma lombada que garante a velocidade controlada dos veículos, ou pelo menos deveria fazê-lo.
Olhei para o rosto da minha amiga, estava pálida, assustada tentava encontrar um sapato e me pedia para descer e não deixar o motorista fugir. Ela usava um moletom azul e tentava vestir uma bota montaria por cima da calça enquanto no outro pé tentava calçar uma sapatilha 2 tamanhos menores que o número dela. O que o desespero não faz!
Olhei para ela e disse:
- Você vai assim?
Por um instante ela se observou e trocou o moletom por uma calça jeans, calçando enfim os dois pés da bota. Ajudei a procurar a bolsa e a chave do carro que pareciam brincar de esconde-esconde naquela hora e enfim conseguimos sair do apartamento.
Descemos os doze andares rezando para o motorista barbeiro não ter fugido. Chegamos ao local e a imagem era inacreditável. A lateral do motorista inteira, o para-choque traseiro inteiro e a lateral do carona parcialmente destruídos. O carro que atingiu o veículo teve o eixo quebrado e teve que sair dali com um guincho, motivo que contribuiu para que o infrator permanecesse no local.
Era uma cena tão surreal que poderia afirmar ser mais provável um meteoro atingir o carro do que o cara conseguir acertar o carro dela daquele jeito, se bobear a probabilidade do meteoro cair é maior do que um acidente daquele acontecer novamente.
Diga-se de passagem que tem um Monza azul que fica parado na mesma rua todo dia, toda noite há mais de três meses e que sempre esteve ali, inclusive no dia do acidente e adivinhe?! Pois é, com ele não aconteceu nada! Permaneceu lá, intacto. Hoje mesmo quando cheguei em casa olhei pela janela e lá estava o Monza azul, paradinho, sem um risco sequer, foi então que pensei: - Vaga maldita!
Confesso que ainda estou consumida pela culpa, ela me perguntou onde deveria parar e eu indiquei o local exato da batida, garantindo que era seguro, mas quando é que eu poderia imaginar que um maluco que não consegue andar em linha reta iria acertar o carro dela, bem o carro dela. Ai que dó, não bastasse o banho frio da manhã, mais essa ainda...
Mas calma, essa é só metade da história, ainda aconteceu muitas coisas noite adentro... Na próxima semana continuo, com as cenas do penúltimo capítulo: Ao vivo!