Vote aqui! :)

sábado, 26 de setembro de 2009

Da vista da minha janela...

Da vista da minha janela vejo o moço de olhos castanhos passar. Vejo seus cabelos ao vento e imagino seu pensamento. Ora com sorriso nos lábios, ora com ansiosos passos.
Da vista da minha janela vejo a moça se maquiar. Vejo os olhos procurando o pequeno espelho, vejo os lábios se apertarem para uniformizar a cor, ora rosada, ora furtacor.
Da vista da minha janela vejo um emaranhado de prédios. Vejo suas luzes coloridas refletindo nas sacadas, vejo semblantes atrás das cortinas, ora fechadas, ora escancaradas.
Da vista da minha janela vejo sirenes piscando. Vejo homens de farda com sorriso no rosto e poder nas mãos, ora com justiça, ora não.
Da vista da minha janela vejo mulheres trabalhando. Vejo roupas curtas e ouço palavras obscenas, vejo um comércio que explora, maltrata e vicia, ora de noite, ora de dia.
Da vista da minha janela vejo lojas adornadas. Vejo faixas de promoção e vendedores alvoroçados, ora animados, ora de pés cansados.
Da vista da minha janela vejo palhaços enfeitados. Vejo seus narizes vermelhos e seus pés enormes, vejo rostos e bocas pintadas, ora acolhedoras, ora assustadas.
Da vista da minha janela vejo um caminhão barulhento. Vejo a madrugada ser engolida por sua caçamba, nas mãos de homens desatentos, que recolhem restos de coisas e enterram-se por inteiro, num ritmo ora consciente, ora sonolento.
Da vista da minha janela vejo pombos nos fios. Vejo asas batendo e tentativas de equilíbrio, vejo vôos rasantes e bicos abertos, ora assustando a gente, ora colhendo afeto.
Da vista da minha janela vejo um mar de gente. Vejo camisas coloridas e sapatos enfeitados, vejo sacolas na cabeça, mãos e braços, vejo crianças correndo, ora felizes, ora com cansaço.
Da vista da minha janela vejo o pôr-do-sol. Vejo o amarelo invadir meu quarto, tão quente e brilhante quanto a areia do deserto. Vejo o sol mudar de cor, do amarelo ao vermelho, se findando num alaranjado lilás, ora na minha frente, ora logo atrás.
Da vista da minha janela vejo o céu azul. Vejo as nuvens em formato de bichos e pessoas, vejo sua cor alterar-se no entardecer ou quando a chuva vem, ora para lavar a alma, ora para lembrar alguém.
Da vista da minha janela vejo meu quintal. Vejo uma imensidão de coisas e pessoas, vejo a diversidade de tudo o que há e do que ainda é possível criar. Vejo alguma esperança no fim deste horizonte, que ora se reprime e ora se expande.
Da vista da minha janela vejo o mundo e toda sua confusão. Ora na palma das minhas mãos, ora caindo no chão...

4 comentários:

Taline Libanio disse...

Em homenagem ao querido amigo Lucas, que sabe transformar palavras em versos e versos em música...

Fernanda disse...

Amiga!!! O texto ficou maaara! Intrigante, divertido e com um colorido que só você pode dar à Braguinha!!! Bjo0...

Anônimo disse...

Taline, gostei demais de seu texto, ele revela que é uma grande observadora do cotidiano e das relações humanas.Um professor que tive no Mestrado dizia que as palavras tem cheiro, cor e sabor e, certamente seu texto revela tudo isso. Um beijo grande.....

Marly disse...

Neste texto vejo você retratar a VIDA.
Uma VIDA cheia de gestos, cores, cheiros. Uma VIDA repleta de gente com ESPERANÇA.
De uma VIDA melhor.
bjus com amor e carinho.