Vote aqui! :)

sábado, 19 de setembro de 2009

Só mais cinco minutinhos...

Com o apoio do dicionário me expresso. No intuito de reservar um pouco de trabalho intelectual para o fim deste texto, hoje me resumo em algumas palavras curtas, mas de grandes significados. Palavras que não provocam surpresa como as gigantes aglomerações silábicas: inconstitucionalissimamente ou oftalmotorrinolaringologista, mas que com muita ousadia transformam coisas, pessoas e lugares.
Palavras que quando ditas provocam ansiedade e quando sentidas provocam desconforto. Palavras que se auto resumem e indicam o grau de dificuldade na tentativa de retornar ao equilíbrio.
Mentiroso, creio ser, quem nunca as disse ou as sentiu. Mentiroso diria ser quem nunca as evitou ou as apreendeu. Mais mentiroso ainda diria ser quem um dia afirmou tê-las ignorado.
Estafa: fadiga resultante de um trabalho muscular ou intelectual intenso e prolongado; Fadiga: Condição em que um indivíduo acusa crescente desconforto e decrescente capacidade física e/ou mental, decorrendo ambos de atividade prolongada ou excessiva para a sua capacidade de tolerância; Cansaço: Falta de força causada por exercício demasiado; Canseira: Esforço aturado para conseguir qualquer coisa”.
Excesso, desconforto, esforço aturado, falta de forças, decrescente capacidade física e mental, intolerância. Diria que o excesso só foi possível pela ausência de tolerância, que por sua vez não foi utilizada porque o desconforto e a falta de forças, apesar de decrescer a capacidade física e intelectual são úteis e aturáveis para se conseguir qualquer coisa, ou ainda me atreveria a afirmar: coisa alguma.
Tenho vivido dias cansativos, estafantes, repletos de ansiedades, dúvidas, renúncias e escolhas. Tenho vivido noites insones, barulhentas, pensativas e cautelosas. Tenho vivido tardes sonolentas, doloridas, sem apetite e abarrotadas de cobranças.
Quando digo que estas palavras são mágicas, capazes de transformar coisas, pessoas e lugares digo com convicção. O melhor lugar do mundo torna-se um verdadeiro castigo quando estamos fatigados, até a praia mais bela ou a vista mais linda perdem a cor quando nosso corpo e nossa mente se encontram em estado de exaustão.
O seu passatempo preferido te esgota, o som da sua música predileta, que antes você ouvia por mil vezes seguidas, te irrita, a voz da pessoa amada te confunde e os resmungos da pessoa ao seu lado te cansam. Tudo, tudo se torna intolerante.
Atender aos chamados com sorriso no rosto, respirar fundo cinco, dez, mil vezes ao dia, para não perder o controle, deixar invadir-se pelo mau humor e pelo sentimento de incompreensão, tudo isso, absolutamente tudo são sinais de estafa.
Tenho perdido o sono no início da noite, logo em seguida sou invadida por uma onda de mau humor que me consome a madrugada toda, me faz acordar sem disposição e levar o dia irritada e exausta, tomando o cuidado de não descontar nas pessoas do meu convívio meu desgaste, mas xingando baixinho desde a lerdeza do motorista de ônibus, até a quantidade de palavras e assuntos que sai da boca do meu chefe.
Tenho sentido vontade de quebrar coisas e jogar chinelos na parede, tenho tido vontade de jogar ovos bem em cima das pessoas que passam gritando de madrugada pela minha janela, de fazer uma fogueira com todos os telefones que não param de tocar e dar um stop no mundo, para que eu possa respirar por um minuto em paz e dizer: hoje eu tenho tempo.
Devo parecer ridícula com tanta reclamação, mas creio que senão todas, muitas pessoas irão identificar-se com este emaranhado de emoções que transformam-se da fadiga em angústia em apenas um segundo. Quem nunca teve seu dia de fúria? Quem nunca quis jogar tudo para o alto? Quem nunca teve vontade de dormir o dia inteiro ou só mais cinco minutinhos?
Os cinco minutinhos extras têm me feito uma falta considerável. Faltam minutos para estudar, comer, dormir, namorar, sair. E sabe por quê? Porque um dia, eu acreditei que aturar um esforço para alcançar alguma coisa fazia todo o sentido do mundo. Só me esqueci de registrar que para se desfrutar de alguma conquista é necessário manter-se sadio, de mente e corpo, e para alcançar isso é preciso um pouco mais do que cinco minutos.
Recado dado, é hora de reorganizar minhas 24 horas e se não for pedir muito, vou incitar a conquista, além delas, de só mais cinco minutinhos...

3 comentários:

Luis F disse...

Olá Taline, tudo bem?

Bem filosófica o texto desta semana ein...Bem rico em vocábulos elaborados...

E eu gostei!

Bom tema!
Bjos!
Luis F.

Fernanda disse...

Ótimo tema! O cansaço, a angústica, o esgotamento fazem parte cada vez mais da nossa rotina! Dá aquela vontade de gritar: "PÁRA o mundo que eu quero descer!!!" ... Mas ele não pára, nem cinco segundos e mais um problema a ser enfrentado! Por essas e outras me identifiquei muito com o texto! (Exceto pelo trecho "tardes sem apetite"! Hehe!!!!)

Bjo0s

Marly disse...

Oie!!!
Interessante seu texto.
Veio em uma semana que sinto tudo isto que vc diz.
Mas, na quarta feira passada(o pior dia)fiz uma experientcia que me renovou.
Entrei em uma igreja. sentei-me num cantinho escondidinho e la fiquei a meditar sobre a vida. a minha vida.
nem sei se foram 5 minutos. mas de repente eu me sentia com forças pra enfrentar o que viria.
e hj estou aqui, renovada pra começar e recomeçar.
bjjuss