Vote aqui! :)

domingo, 19 de julho de 2009

Um dia de cada vez...



Poderia começar esse texto falando do quanto é entediante ficar horas sentada em uma cadeira na rodoviária, ou ainda do quanto é cansativo ir ao supermercado ou ao banco. Poderia ainda falar sobre meus relacionamentos, minhas aventuras no ônibus, ou quem sabe sobre as enrascadas em que vivo me metendo. Mas hoje não estou com vontade de falar sobre nada disso, na verdade não estou com vontade de falar nada.
Diria que esta foi uma semana chata, de dias difíceis e de notícias desagradáveis, e que esse tipo de coisa não convém compartilhar com ninguém. Aliás, até seria conveniente a partilha se houvesse alguém com quem compartilhar, mas o fato é que estou me sentindo como um náufrago em meio a um mar de gente.
Sempre gostei de ter meu espaço, minha privacidade e de um tempo para cá isso passou a ser artigo de luxo, mas hoje, tanto espaço me sufoca. Tem horas que gostaria de estar rodeada de amigos, conversando alto e dando risadas, mas em outras até o barulho da rua me atrapalha. Tem dias que me sinto só no meio de uma multidão e que tenho vontade de dividir essa amargura, mas as palavras não saem, se misturam e dão um grande nó na garganta.
E você pode pensar: “Nossa que textinho deprimente, o que deu nela?!” ou ainda, “E quem nunca passou por isso antes?!”. E confesso que ficarei aliviada se acertei qualquer um dos pensamentos, pois seria como se neste instante partilhasse essa confusão de sentimentos com vocês. Às vezes não é preciso falar para compartilhar a dor, basta sabermos que alguém sente ou já sentiu algo parecido, como nos grupos de auto-ajuda, ou nos salões de cabeleireiro, onde você, muitas vezes, passa horas só escutando e sentindo-se cada minuto mais aliviada, ou incomodada dependendo do assunto.
Na verdade, só queria me mostrar um pouco mais transparente por meio destas palavras. Mostrar que sou comum, como você e todas as outras pessoas do mundo, que se sentem felizes hoje e tristes daqui a meia hora, que comem uma caixa de chocolates em frente à TV e em seguida iniciam dietas assustadoras com sopas e frutas. Sou assim, como você, humana. Cheia de defeitos, de sonhos para se realizar, cheia de tudo e de nada ao mesmo tempo, num compasso sem ritmo que me tira o chão em dias como hoje.
Não estou assim sem motivos, muitas coisas me indignam e me preocupam, muitas coisas me faltam e me aborrecem, muitas pessoas me causam saudade e me entristecem. Mas coisas deste tipo não acontecem só comigo, nem só nesta semana, acontecem sempre, a todo instante com todos nós e o que precisamos é ter fé e força para seguir em frente.
Contudo, acredito que chorar, sentir-se triste, querer colo e procurar apoio nas pessoas que nos amam não significa fraquejar, ou ainda, o fim da esperança, pelo contrário, significa o primeiro passo, lavar a alma para uma nova construção. Fortalecer o corpo, o espírito e o coração para o que vêm pela frente, para as surpresas que o amanhã nos reserva.
É por isso que tenho tentado viver um dia de cada vez, mas confesso que isso tem sido mais difícil do que andar de bicicleta na corda bamba ou ganhar na loteria. E isso porque sou extremamente apegada ao meu passado e completamente confusa sobre o meu futuro. Preciso das minhas lembranças, do cheiro do passado para cristalizar algumas certezas e planejar o futuro, que nada mais é do que uma folha em branco cheia de rabiscos atualmente. Alguns sonhos, algumas verdades, muitos medos e nenhuma certeza.
Um dia de cada vez, é assim que gostaria de viver sempre. Muito me admira quem o consegue, quem tem noites agradáveis de sono, sem preocupar-se com o amanhã. Eu tenho sentido inveja das pessoas que fazem propagandas de colchão na TV, parece que elas dormem tão bem, e eu aqui, horas acordada, olhando para o teto e fazendo a lista imaginária de todos os afazeres, que insistem em se desorganizar nas primeiras horas do dia.
Um dia de cada vez, seria bom se fosse tão simples quanto colocar uma palavra em frente da outra, ou respirar, mas não é. O que me acalma é que sempre existirão dias para que eu continue tentando vivê-los plenamente, o que não posso me esquecer, é que mesmo o “sempre”, sempre acaba.
Desejos de uma semana repleta de dias a vocês, para que possam vivê-los um a um, como eu gostaria desde sempre...

3 comentários:

Alexandre disse...

Amoooore, eu tb ficava horas olhando para o teto planejando meu dia, e no final acontecia tudo ao contrario, e no outro dia o mesmo, ate q tomei uma decisao, passei a dormir bruço...huhuu e deu certo, um dia de cada vez, assim deveria ser, mas nem sempre è possivel...
bjus amo e amo mais.

Marly disse...

Lindas palavras que nos remetem pra dentro de nós mesmas.
Sempre tive este lema - um dia de cada vez- uma coisa de cada vez. Mas, sempre com um objetivo definido.

Sempre é muito importante na nossa vida.
Resumindo...pra mim...Cristo é sempre.
Abraços e fica com Deus.

Luis Moraes disse...

Oi Taline!

Bem, eu me identifiquei muito com o seu texto neste meu inicio de semana, principalmente na segunda-feira...
Se a vida fosse facil, nos inventariamos algo para deixa-la dificil...
Concorda?
Bjos!